Arquivo para setembro \23\UTC 2012

Riqueza Brasileira

O povo brasileiro é, de fato, rico. Imaginem, para quem faz impréstimo, que “pagamos” uma das maiores taxas de juros do mundo. Enquanto nos EUA e alguns países da Europa se paga 16-19%, em alguns de nossos vizinhos sulamericanos se paga entre 50 e 60% ao ano, no Brasil, país de “bilionários”, paga-se a bagatela de 238%.
Mas por que isso, se as bandeiras (traduzindo, agiotas dos empréstimos, cartões de crédito e bancos) são os mesmos que existem no mundo? E o pior, como é que o brasileiro aceita isso calado, mesmo sendo escancarado aos olhos e rins?
Simples! Somos ricos. Numa crítica, não me lembro agora de que personalidade americana, houve a menção de que temos a maior reserva de água do mundo, pagamos preços elevados por automóveis, alugamos e compramos imóveis a preços deveras altos e vivemos dizendo que os outros países são ricos.
O banco central (bc em minúsculo mesmo), tem instâncias de controle dessas taxas abusivas, mas segundo a porta-voz jornalística disse: “Não sei porque o bc não controla essas taxas!” Eu já posso até imaginar. Alguma coisa se ganha com as montanhas de juros que os brasileiros pagam. Nenhum deputado, banqueiro ou grande investidor tem ideia disso… Até porque, quando bancos quebram, quem ajuda é o tio bc.
O pior de tudo. Os brasileiros enchem o mês de empréstimos, pagamentos com cartões de crédito e mais, ainda estão loucos pelo consumo desenfreado e ingênuo do ponto de vista ambiental e econômico. Esse é a principal doença. Consumir é tudo!
Atente para a conta de luz, água, telefone (…) de sua casa! É um assalto! Se prestar atenção, algumas delas têm o valor das taxas maior do que a do uso do serviço. Mesmo assim, continuamos a consumir estes recursos de maneira desenfreada. Boicotes a essas concessionárias, deveriam ser o mínimo a fazer. Não falo de calote, mas de redução, para que sintam.
Se o tio bc num faz nada, por que não fazem os cidadãos? Enquanto nada for feito – Ocupy bc, boicote a cartões de crédito, reclamações em massa, redução massiva no consumo para que eles sintam na pele, que nós os financiamos -, continuaremos os cordeirinhos preferidos dos megaempressalafrários.
Um dos problemas é que queremos economizar, para consumir mais.
Segura os juros, caboco.

Anúncios

E…

Olhos cerrados!

Lágrimas e um sentimento que nunca

A lua, já sumida, molhav com sua luz minha noite

a fogueira de vozes que me fazia realizar a vida defícil que transformamos

ser lagoa com pés que dançam ao redor

e vozes que me cantam não sei de onte.

 

À distância, via minha companheira e criança

seres que amo desde já

Anel?

somos.

Os deuses abençoam o que hemos de encontrar

a vagar prum lar que encontraremos

e somos.

 

Feliz, temeroso, novidades, Jurubeba, Amanda, digna de ser amada, e é.

José

15 ou 20? 3 ou 5?

São Paulo com temperaturas mais quentes nas madrugadas e sem chuvas a 65 dias; Rio de Janeiro com 41º durante o dia, e o pior, sem água nem pra o banho (ÁGUA!!) em algumas regiões porque as reservas que abastecem a baixada fluminense estão baixas; chuva que leva casas de pessoas no sul do Brasil; ventos fortes no Rio Grande (RS), Minas Gerais com secas brabas e por aí vai.
Abancada ruralista no congresso conseguiu aprovar a medida provisória que muda de 20 para 15 metros, a área de mata ciliar para rios de até 10 metros. Pelo que vejo, um contrasenso estúpido diante de tantas evidências de que o ambiente natural no Brasil pede conservação e preservação. Em contrapartida, tem-se dado cartas brancas para os gigantes do agribusiness, apoiando plantios assassinos, cheios de agrotóxicos da soja, milho, cana, ou para os criadores de gado.
Sinceramente, entre 15 e 20 metros, prefiro 20. O que isso tem a ver com as cidades? que é que se tem feito diante de tanta destruição institucionalizada nas áreas naturais ou urbanas?
Em Natal, temos o caso da obra de MACAQUEAMENTO da Av. Roberto Freire, que recebe uma estrutura desnecessária do ponto de vista da mobilidade urbana. Primeiro, porque vão “comer” parte de um dos maiores parques urbanos do Brasil, o Parque das Dunas, para poder implementar as 5 rodo-faixas de cada mão da avenida. Onde as pessoas ficam nessa história? Mais uma vez, a cidade está sendo construída para os carros. Depois, os 228 milhões de Reais (Quê? Hein? Essa verba, certamente vai para o bolso de muito empreiteiro) poderiam ser melhor aplicados na frota de ônibus da cidade, para montar novas estratégias de mobilidade urbana baseadas no transporte coletivo e sua integração com outros modais, como metrô, VLT, trem, regularizar vans, incentivar o uso da bicicleta e facilitar o acesso à mobilidade para as pessoas com necessidades especais (acessibilidade).
A sociedade civil tem se organizado e tentado boicotar essas atrocidades urbanas. Vivemos nas cidades e precisamos impedir a destruição natural e urbana.

Cidade para as pessoas

R€volta do bu$ão

Os empresários mandam e desmandam? É isso? Geralmente não concordo com quebrar “coisas”, mas os empresários “quebram” os bolsos do cidadão, faltam com respeito, pois cancelar a integração foi uma afronta ao trabalhador e à possibilidade de ir e vir de boa parcela da cidade de Natal. Vamo dizer que por volta de 70% (nem sei ao certo, só sei que é a maioria). Os fins para os empresários, justificam os meios que eles utilizaram?

E a violência dos policiais? Eles estão para proteger a população, mas se prestam a defender causas dos empresários. Polícia: Para quem precisa?

E a mídia dualista, parcial? Vai dizer que os canais de tv potiguares privilegiam o povo? Eles privilegiam o interesse deles e de suas coligações.

O povo não pode ser cordeirinho sempre. Precisa lutar, e esse é um dos principais problemas históricos do povo brasileiro. Nós, geralmente, aceitamos guela abaixo o que vem de cima.

Mão na cabeça, é a força nacional

A força nacional tá em Brasília! Fantástico! É como se o mundo fosse salvo, até porque a meta é reduzir a criminalidade a “ZERO” (pasmemos, 0, oi de boi…), segundo o secretário de segurança de lá.
Enquanto alguns se sentem mais seguros, e não discordo disso, outros se sentem lesados. Enquanto se elogiava a presença dessa força-tarefa, acontece uma abordagem a motociclista quando a reportagem passa na TV. Detalhe: o guardinha da FN simplesmente manda o cara deitar no chão. Frases que imagino o puliça deve ter usado: “Mão na cabeça! Desce da moto! Deita no chão!” Minhas perguntas: “Quê? Como assim? O cara era ladrão?” Que tipo de abordagem é essa? Distante, com o fuzil na mão (como se já não bastasse a força), aponta pra o chão enquanto o figura (coitado), com as mãos na cabeça, num sabe o que fazer, a não ser movimentos lentos e SEGUIR ordens, mesmo que possa ser um cidadão de bem. Absurdo de abordagem! Mas é para a segurança NACIONAL da população de brasília, incluindo evitar sequestros de filhos de personagens do senado ou da câmara, sei lá.
Diante dos números de sequestros relâmpagos, depois do sequestro da fia de um figurinha mei grande, colocou-se a boca no trombone e tomou-se alguma ação. Ainda bem que ela nada sofreu, a não ser o susto. Foi corajosa e se jogou do carro. Mas para mim, ou por simples coincidência, só depois disso é que essa puliça foi chamada.
O que ressalto é a abordagem! Estão lidando com pessoas, que podem não ser marginais.
Nem todo mundo é bandido. Espero que peguem mensalões pelas estradas…

Mais do que uma bicicleta