Arquivo para setembro \27\UTC 2011

Quem é inocente?

Aprofunde-se:

Quadrinhos rasos

Anúncios

Um chip ou um ship? Viagens

“Engoli um chip ontem. Danei-me a falr sobre o sistema que me cerca. Havia um eletrodo em minha testa, não sei se engoli o eletrodo também junto com o chip. Os cavalos estavam galopando. Menos o cavalo-marinho que nadava no aquário.”

Todos os cachorros são azuis.

Rodrigo de Souza Leão

Nostalgia com O pato – MPB 4

Alguns dizem que a semelhança com as patetadas eram bem minhas…

O pato da Arca de Noé (MPB 4) – Vinícius e mestres mais

Felicidade por curtir essa obra de arte musical quando criança e a oportunidade de voltar no passado-presente que enriquece.

Ser-criança é bom, demora não voltar a ser por dentro.

Sorrisos felizes de criança dentro quando nem se sabe

pequeno brincando

Projetores e telas – Somos cinemas

Projections

“In a cinema hall, you look at the screen, you never look at the back–the projector is at the back. The film is not there really on the screen; it is just a projection of shadow and light. The film exists just at the back, but you never look at that. And the projector is there.”

Osho Hsin Hsin Ming: The Book of Nothing Chapter 7

Tudo que olhamos são projeções, não a realidade dita “real”, mas Apenas a realidade que construimos, logo uma diante de tantas que existem, pois cada um constrói um mundo, percebe um universo de acordo com suas impressões. As máscaras que queremos ver, os detalhes, belezas e imperfeições são todas aquelas que estão na tela, pois o projetor, está “escondido” no mais profundo do oceano.

Não podemos imprimir nossas percepções, apenas senti-las.

“Does what you see in others really belong to you? Is your vision clear, or clouded by what you want to see?”

Para mais: Osho Zen Tarot

ItapuamOlhar – Belezas e imperfeições – Denúncias #2

“Itapuama, no nome, “pedra bonita”.
Bela, com ondas e paisagens que nos encantam. Pedras que reluzem o brilho do sol e a lembrança de uma época líquida de rochas dançantes de vulcões.
A historia trata de mudar as coisas.
Se antes, tínhamos belas paisagens apenas, e as pessoas trataram de molda-la e interagir com a mesma…
Um belo nascer do Sol vindo de onde os pescadores entram com suas jangadas
Visual da baía desde Xaréu
… hoje, temos certas irregularidades que afetam ambientalmente, socialmente e esteticamente o local.
O danado é que nem tudo são flores… Itapuama vem sofrendo com a implantação de um projeto urbanístico que pode até trazer benefícios para a comunidade, mas atropela muitos acordos sociais, como a própria participação popular, que foi tolhida de opinar, mas teve que engolir toda a transformação, que claro, não agradou a todos.
Ainda mais, quando se permite a intalação de estabelecimentos comerciais irregulares em vários sentidos. Aquele tipo que permite colocar um trailer em cima de uma calçada. Veja só:
 E tem mais… Isso é de um lado, pois o outro lado da rua, na calçada oposta, as mesas são colocadas e comercializa-se bebida alcoólica. Tudo bem!? Pera aí!! Onde está o banheiro para esse povo!? AAAHHH!! Cantinho de muro, terrenos, casas nas cercanias são feitas de banheiro.
Sem falar no som dos carros ligados…
O projeto “urbanístico” de Itapuama vem de vento em popa com falhas. Os calçadões que para serem contruídos precisaram derrubar coqueiros, estão agora, caindo também. Planejamento ZERO. O mar vem e toma conta de tudo aquilo que não lhe agrada. O riacho de Itapuama levou um bocado do calçadão também.
É um pouco diferente do que acontece no Paiva, onde tudo corre, mais ou menos certo. Sem lembrar dos impactos socioambientais já conferidos. Mas é para os ricos, logo, tem mais requinte, zelo e por aí vai
Uma pena!
Lugar lindo e crescendo, des-envolvendo sem saber onde vai chegar.
Itapuama é uma bomba.”
Direto do antigo Pescandoluzes

VAGA VIVA hoje no DMSC em Recife

Hoje foi ativo…

Desde cedo na rua, sem carro, para comemorar com os seres ecológicos um espaço urbano mais saudável e calcado no respeito. Mais uma oportunidade de me juntar a mais “ET’s”, que é como as pessoas nos olhavam, enquanto ocupávamos quatro vagas do estacionamento do Paço Alfândega, no centro do Recife.

A chamada VAGA VIVA!! O ser Bicicletada Recife juntou outros seres e, com muito humor, discussões e um café da manhã extremamente peculiar, fortaleceu mais uma iniciativa de apoio ao Dia Mundial Sem Carro, evento que se fortalece cada vez mais.

Por razões de conexão, depois seguem mais fotos.

Foi muito bom!!!

Mais?

http://bicicletada.org/recife

Abraços

Dia Mundial Sem Carro