Arquivo de setembro \10\UTC 2013

Humanidade, o emprego e o status

Todos somos assim?

 

Carta dos movimentos da Rocinha – RJ

Essa carta foi escrita pelos movimentos sociais da Rocinha, com o intuito de questionar a instalação do teleférico como estratégia de “mobilidade” para a comunidade local.

Enquanto se instala um teleférico, serviços e estruturas de saneamento, coleta de resíduos, transporte local e fortalecimento do comércio da Rocinha ficam de lado.

Uma pergunta: “para quê  e para quem serve o teleférico”?

“A Rocinha desde sua existência enfrenta problemas como queda de encostas, enchentes na parte baixa e, por consequência, bairros vizinhos sofrem com a falta de canalização correta do esgoto e drenagem pluvial decorrente do abandono pelo poder público, que até início dos anos oitenta consentia apenas a entrada da repressão através da polícia.
Em determinado período de sua existência, moradores de favelas viviam o fantasma da remoção e, para afastar tal ameaça, a Rocinha acreditava que as ações de mutirões de limpeza de valas eram o remédio, conforme consta em reportagem da Revista Veja publicada em 09/08/78, pag. 70, que no presente nos remete a perceber que continua na pauta de reivindicações além de outros serviços prestados parcialmente ou não.
Em Artigo Editorial publicado no Jornal Folha de São Paulo, em 21/11/2011, denominado “Urbanismo Pacificador, diz que: “para integrar favelas às cidades, é preciso que urbanização, saneamento básico e prestação de serviços sejam levados a sério”. E que o desafio da pacificação é a remoção dos obstáculos urbanísticos e arquitetônicos com abertura de ruas para acesso aos serviços públicos e redução do índice da tuberculose que corresponde a sete vezes a média nacional (300 casos por 100 mil habitantes). Para isso há um projeto de plano diretor, escolhido por concurso público promovido pelo governo do Estado, em 2005, que prevê intervenções para facilitar deslocamento de pedestres e serviços na favela.
Tal editorial diz ainda que se deva pensar em empregar recursos na melhoria da qualidade de vida dos moradores, em vez de obras grandiosas, referindo-se ao teleférico, que o governo do estado pensar em erguer na Rocinha.
O citado editorial nos faz refletir sobre o que a Rocinha quer e o que a Rocinha precisa, visto que em visita ao teleférico do “Alemão”, percebeu-se que acesso para deficientes físicos moradores é difícil, transporte de bens adquiridos de maior porte não é possível, transporte de resíduos em descarte também não é possível, o comércio não se beneficiar porque o transporte é feito pelo ar; daí a pergunta para quem e para que serve o teleférico?
Em artigo publicado no mesmo jornal e na mesma data, denominado “O teleférico e a tal vontade política”, o arquiteto Luiz Carlos Toledo faz referência a proposta de implantação do teleférico na Rocinha com a seguinte expressão: “Só mesmo a vontade política, descolada da realidade das nossas favelas, poderia impor a construção de teleférico na Rocinha como vem sendo dito”, e diz que isto coloca de lado as propostas do plano diretor sócio espacial da Rocinha, aprovado pelo próprio governo do estado, e que tal plano prevê melhorias nas condições de mobilidade na favela, tendo como objetivo eliminar os gargalos que dificultam o fluxo viário e o de pedestres, que sofre com barreiras físicas de toda ordem e com a topografia acidentada da Rocinha.
Para seguir em frente não se deve esquecer que o PAC 1 ainda não foi concluído, há obras previstas não reiniciadas, nesse contexto vem a pergunta, quando reiniciam? Quando terminam?”

Via canal iBase